Guia do Participante

Como calcular a nota do Enem 2015

Atualizado em: outubro 27, 2015

by Enem on 27/10/2015

É possível calcular a nota do Enem 2015 com base apenas no número de acertos? Em meio à tradicional polêmica gerada pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a atenção dos participantes se volta agora para o cálculo das notas do Enem 2015. Entre os questionamentos feitos pelos estudantes, muitos revelam não saber que candidatos com mesmo número de acertos de questões podem ter notas diferentes, fixando comentários apenas no número de questões consideradas difíceis nesta edição do Exame.

A explicação oficial está num endereço eletrônico cuja divulgação passou desapercebida para a maioria dos participantes durante a preparação. Recentemente o INEP realizou uma série de publicações com intuito de trazer mais transparência à metodologia utilizada no Enem. Todos os textos podem ser encontrados no endereço eletrônico http://mapaitensenem.inep.gov.br/. Foram publicados guias específicos para o entendimento do Cálculo e Escalas de Proficiência (notas) do Exame, assim como o Mapa de Itens com as respectivas competências esperadas de cada participante.

A primeira publicação trata-se do Guia do Participante, para entendimento do cálculo das notas do Enem 2015.

Clique aqui para baixar o Guia do Participante para Notas do Enem

Segundo o guia, espera-se que o participante acerte questões que estão abaixo ou no seu mesmo nível de proficiência. Se a proficiência do participante for alta, a probabilidade de acerto dos itens fáceis seria grande. Todavia, se o participante errou os itens fáceis, então sua proficiência para os itens difíceis não deve ser alta.

O Conceito de Coerência Pedagógica

Coerência Pedagógica Enem 2015

Coerência Pedagógica Enem 2015

Na figura ao lado, extraída da publicação, estão comparadas as respostas de dois participantes A e B. O participante A acertou 5 questões e o B também, porém o participante A foi mais coerente, ou seja, acertou os questões fáceis e médias e as difíceis errou. Isto é o normal e o esperado! O que não é esperado e não é normal é quando o candidato acerta as mais difíceis e erra as mais fáceis.

Um exemplo simples disto é se um participante compreende a teoria de determinado fenômeno físico, espera-se que ele também entenda o cálculo deste. É possível, no entanto, que seu nível de proficiência não seja suficiente para o entendimento, pois o cálculo pode exigir um nível mais avançado. O contrário contudo não é verdadeiro. Se o participante entende o cálculo da teoria é esperado e exigido que o mesmo também compreenda o fenômeno.

Com a publicação do Guia do Participante do Enem, o INEP deixou claro que, embora sejam aplicadas 45 questões em cada área para todos os participantes, candidatos com mesmo número de acertos não terão a mesma nota, exceto se acertarem exatamente as mesmas questões e fizerem exatamente a mesma marcação no Gabarito do Enem 2015.

Porém, quem acertou questões mais difíceis e errou as mais fáceis, vai ter uma nota menor do que o participante que acertou uma, duas, três questões fáceis e médias e errou as mais difíceis. Segundo a TRI (Teoria de Resposta ao Item) isto é chamado de coerência pedagógica das respostas.

Desta forma, entre participantes com mesmo número de acertos no Exame, terá a maior nota quem acertar as questões de forma mais coerente pedagogicamente, mesmo que tenha acertado somente questões difíceis.

Curta e compartilhe notícias do Enem 2015 no Facebook..